terça-feira, 18 de maio de 2010

Mundo Crepusculoso

O que olhamos? Ou melhor, o que procuramos naquilo que olhamos? Parece que a maioria não procura nada, só olha. Em outros séculos, as pessoas procuravam um sentido, algo que lhes dessem um motivo para continuar vivendo, ou para viver. Hoje não olhamos nada. Não precisamos de sentido. Tornamos-nos máquinas programadas para determinadas funções. Não pensamos mais, portanto praticamente não existimos. Nascemos, temos um tempinho aparentemente livre, até que vamos “estudar”. Aí começa a lavagem cerebral, em termos mais atuais, a instalação do software. Daí em diante só fazemos coisas programadas. O pior de tudo é quando você termina a escola tem o mundo inteiro para desvendar, coisas para fazer, mas você, programado para certas funções, decide entrar na faculdade. Oh burrice, que também eu cometi. Você fecha ainda mais o seu mundo. Antes você podia ser tudo. Agora é um mero administrador, economista, jornalista, advogado. E o que se cria de novo? Só tecnologia. Alguém aí precisa de tecnologia? Gostaria de justificar a última pergunta, mas para quê? Não sei mais o que falar. É melhor ler o seu capítulo de hoje de Crepúsculo!

7 comentários:

  1. Tão verdade! E devo adicionar: qualquer um que procure significados sofre. E sofre muito. Sofre por ser diferente, por pensar e por ver verdades que ninguém mais vê. E ainda é chamado de arrogante, de louco, de teimoso... Complicado.

    ResponderExcluir
  2. Danillo Dal Seno18 de maio de 2010 19:57

    Faço dessas minhas palavras!

    ResponderExcluir
  3. Pois é! A fantasia serve para isso... Ninguém aguenta olhar pra si mesmo 'de verdade' por muito tempo! Mas em geral é porque somos as criaturas mais infelizes do universo e sempre incompletos, com a sensação de que falta algo! E de tão infelizes queremos descobrir o significado pra tudo, e de tanto querer descobrir os significados é que somos infelizes. Mas a piada é que quem vive cagando e andando pra vida e pro mundo, no fundo, tb é infeliz, ou incompleto, como queira...

    ResponderExcluir
  4. Gostaria de completar meu comentário com uma citação do Guia do Mochileiro das Galáxias, que teoricamente é uma ficção, mas na verdade é uma crítica sobre a vida, o universo e tudo mais...

    “Muito além, nos confins inexplorados(…)desta galáxia, há um pequeno sol amarelo e esquecido.

    Girando em torno deste sol,(…)há um planetinha verde-azulado absolutamente insignificante…

    Este planeta tem-ou melhor, tinha-o seguinte problema:a maioria de seus habitantes estava quase sempre infeliz. Foram sugeridas muitas soluções para esse problema, mas a maior parte delas dizia respeito basicamente à movimentação de pequenos pedaços de papel colorido com números impressos, o que é curioso, já que no geral não eram os tais pedaços de papel colorido que se sentiam infelizes.”

    ResponderExcluir
  5. Tudo isso pode ser um sonho. Ou um matrix. Quem sabe?

    ResponderExcluir
  6. Devo dizer que encontrei uma citação que muito me significa...

    "Estas alegrias violentas tem fins violentos, Falecendo no triunfo com fogo e pólvora, Que num beijo se consomem."

    É de Romeu e Julieta - Ato 2 Cena 6

    O que me faz pensar...
    Um dos maiores romances de todo o mundo
    De um dos maiores escritores de todo mundo
    Na verdade é apenas uma grande tragédia
    E penso se não poucas vezes é assim que encaramos nossas vidas...
    Sendo personagens coadjuvantes de nossas próprias vidas, sonhando e esperando pelo momento em que, finalmente, ganharemos o papel principal.

    Agora me conta... que capítulo de Crepusculo VOCÊ está lendo? rsrs

    ResponderExcluir
  7. Comentário genial. Vou colocá-lo no lugar do texto original.

    ResponderExcluir